Antes de ser lançado pela Hearthworm (da qual Wes é dono), Deathbeds foi motivo de intensa discussão. Era o primeiro lançamento de Wes Eisold, que começou por escrever mas que se tornou vocalista e face dos American Nightmare/Give Up The Ghost de Boston e depois de os abandonar, Some Girls. Incluídas estão todas as letras das bandas, bem como peças de zines (incluindo um diário interessante de Some Girls), poemas inéditos e outros antigos.
A edição de mil cópias fez com que os preços aumentassem e de certa maneira, justifica-se. As referências da vida moderna em alguns poemas enfraquecem-no, mas a fórmula de dois versos incisivos, uma via aberta entre o coração e a cabeça, que ele encontrou, revela-se proveitosa. Devia cingir-se aquilo em que é bom (muito bom), a transcrição dos sentimentos crús de quem foi deixado sozinho, de quem está rodeado de gente mas sem ninguém à volta.
Não é explicito, mas eu penso que o livro está ordenado cronologicamente, começando em 2006 e indo até 99, a fase que corresponde às letras de American Nightmare e o que constituí o atractivo deste volume.
A temática é linear mas não superficial, a projecção da incapacidade de Wes lidar com o mundo e as marcas que o amor lhe deixaram.

Comments (1)

On 11 de março de 2009 às 11:04 , WALKtheWALK disse...

tenho que ter isto na minha estante...mas até já tou com medo de saber o preço.