As with Andy's interview, this was also on the Industries website to promote another release that has since sold out. Iain comes from England and we released two of his prints as a set.

Hi Iain. First, could you introduce yourself?

Iain Macarthur.

You work professionaly as a graphic designer, right? What kind of comissions do you usually work on?

Yes, I work as a graphic designer and also as illustrator. I usually do t-shirt and logo design commissions but would like to broaden my horizons and do other commissions, such as typography or editorial illustrations.

Are you involved in any shows in the coming months? Or any past exhbition you want to talk about.

Not at the moment but hopefully when I've done enough commission work and time, then I'll consider producing personal work and organize exhibitions for public exposure. But I have done past exhibitions before, I did an Internet exhibition called 'Phonebooth Gallery' last year in January, which went well.

You paint both colourful pictures and black and white, which one do you prefer and why? Who would you consider your influences?

I do watercolour mixture into my work and also pen and pencil, but I prefer using just pen and pencil as i feel more comftable. I do sometimes like using minimum amount of colour in my work like 1 or 2 colours but I don't use a overdose of colour.

Why the obsession with faces?

I do enjoy drawing portraits. I guess it's a habit of mine, trying to make faces look as real as a photograph. But I like to draw other things like animals so that I'm not stuck at drawing just one thing. Work outside my comfort zone.

Would you care to explain your creative proccess?

First of, I browse through magazines and books for reference to get an idea on the way the drawing or painting will look like, mostly look through books such as alphonse mucha and james jeans for layout techniques. then i draw it out on a A3 size paper which takes me a couples of hours to do. then finally i go over it in pigment pen.

Do you pursue any other artistic form?

My style is similar to bruno 9li or Merijn Hos in their pattern drawing technique.

Last question, what is your aim for the next few years? What do you want to achieve and what changes do you want to implement? Feel free to talk about any project you might have.

My ambition is to make more illustrations and paintings. i want to work on more portraits and try out more different methods of medium on them insted of being stuck at doing black and white faces all the time. thinking of doing acrylic paintings in my style, would look interesting with my pattern work within it. i have a personal project im working on at the moment but its a working progress, its a series of animal faces with the elements of patterns collaberating there faces. hopfully be done somtime late spring.

This interview was done for the OA Industries website to promote the then upcoming release of our first print. It went well and sold out, now we need to give the main page a clean look so I took it off and it will now live here.

Hi Andy! First, could you introduce yourself?

I'm a 36-year-old web-developer living in Nelson, New Zealand, with my wife and three children - a dog and two cats. I really like music, horror films, and classic British Comedy.

You work as a web-developer full time, how does your family and the people you work for perceive this talent you have?

I think some of them wonder why I'm working on websites instead of being a full-time artist, but the reality is that there's so much talent out there it's hard to get noticed, and doing websites pays the bills. I do get the occasional "what goes on in your head?!" questions, accompanied by a sideways look. My parents take an interest in my paintings, but they always say: "it's very well done, but have you ever thought of painting something happy?"

Are you involved in any shows in the coming months? Or any past exhibition you want to talk about.

I haven't had any exhibitions, and don't have anything lined up yet. One of the disadvantages of not having been to art school is that I don't know any other artists or have any contacts 'on the inside'. I'm not naturally someone who likes to blow their own trumpet, so to speak, and started my website just so friends and family can see what I've been painting. I haven't really made much of an effort to promote it online yet, but I realize that I'm going to have to sort myself out eventually.

Even though your paintings have a clear surrealist influence, they are also very skilful depictions of the human condition, seen with a humorous malice. Yet you have not been trained in art school. Why did you become interested in painting?

I've always been quite interested in painting and realized that it was something that I could do. As a teenager I'd raid the linen closet for white sheets and the basement for house paints, and would sit on my bedroom floor for hours painting replicas of heavy metal album covers. I remember being particularly impressed with Michael Whelan's covers from Sepultura's Arise and Chaos A.D. albums, and painted those two more than once. I went through that stage for a few years, and a few friends ended up with hand-painted album covers on their walls. I then tried painting landscapes, but quickly got bored with them. I then forgot about painting for over ten years until I finally got the urge to try painting something different. That was in 2006 and I've just kept going from there.

What would you consider your biggest inspirations? These paintings seem to take a long time to complete with a great level of detail, is it easy for you to keep the focus?

My biggest inspiration as far as content is concerned would definitely be real life - there's so much absurdity in the world it's hard not to be affected by it. I'm also a bit of an 'animal-lover', and like to illustrate the fact that humans are, essentially, just chunks of meat too, not special beings that the universe revolves around. As for artistic inspirations, I would have to say that Terry Gilliam's crazy cartoon segments in Monty Python's Flying Circus made a big impression on me. And of course there are the heavy metal album covers mentioned above. Also, people are posting amazing art on the internet and I often find that very inspiring. If my head is in a bad space, then seeing all the other great art can be a bit discouraging, but I'll have a couple of rums and will get another silly idea, and off I go again. Oh, Hieronymus Bosch is another inspiration. I remember finding out about his art from the cover of Kreator's Coma of Souls album - the weird segment inside the dude's head is a portion of a Bosch painting.

Do you pursue any other artistic form?

I guess you could say that designing websites is artistic, but the clients set up fairly strict and limiting requirements. The thing I like about painting is that I can do whatever I want to, and don't have to worry about someone saying "Oh, I like this bit but could you change that, make that bigger, redo this" etc. The other thing I enjoy doing is playing guitar. I play in a local hard rock/metal covers band, but really enjoy jamming alone in my room till the early hours. I've been through a few musical styles in my twenty years of playing, but in my old age I've slowly drifted towards the blues.

Last question, what is your aim for the next few years? Do you want to focus on painting full time and have more exposure or you want to keep this steady growth?

I would love to be able to paint full time, but my main goal is to just keep painting. A lot of people look back on a year and measure its success by how much money they made, or how far they were promoted at work. I like looking back and seeing the paintings I've done. I managed four paintings this year, which is a lot for me. I don't like them all, but I figure that I have to try different things in order to find out what works for me and what doesn't.
Thanks for your interest in my paintings!

Um livro ilustrado a fotografias e folhas dos cadernos com uma parte interessante do legado de Tupac, poemas, letras e pensamentos. Tupac: Ressurrection foi feito a partir de uma ideia da mãe dele e bastante bem executada. Começa com a posição dos pais nos Black Panthers em Nova Iorque e em como ele nasceu na prisão. Muitas fotografias, tal como noutras fases, comentadas por Tupac cobrem as páginas.
Hoje já se sabe que ele era sensível demais para ser o líder que as pessoas queriam e acabou por estar numa posição indesejada, mantendo a humildade. Este livro é uma boa maneira de perceber a visão dele do mundo.

Billy Mitchell é o campeão de Donkey Kong reconhecido pela sua mestria. Para ele que é o sucesso, há os frustrados e as histórias das vidas deles.
As estratégias e o planeamento para ultrapassar os níveis são de loucos. Os recordes são batidos, há reconhecimento, há invejas. No entanto, Mitchell é um fraudulento que se recusa a aparecer contra um homem que se dedicou a bater o recorde, passando-o primeiro em casa, e depois ao vivo, tornando-se The King of Kong. A maneira como todas as emoções são geridas é interessante, e o final é digno, e se eles são pessoas com fixações especiais, não deixam de ser curiosos.

Normalmente não partilho este tipo de coisas aqui, mas como é em Português, pode ter interesse. Fiz um texto para o Projecto 10 acerca da cor e forma, pode ser lido na área de Arquitectura e Design.

Com a curiosidade de ter sido rodado exactamente em 1984, quando Orwell imaginou o filme, a adaptação de Michael Radford é fluente, o destapar camada a camada passa bem. O livro é superior, obviamente, e continua tão actual e impressionante, mas não foi mal honrado neste caso, em grande parte devido a John Hurt como Winston Smith.

Depois de Sicko (porventura melhor), Michael Moore partiu para outra vertente do sistema Americano, o excesso que levou a que as pessoas não consigam cumprir os pagamentos que os bancos lhes garantiram que podiam pagar e a politica dos seguros de vidas para empresas. Capitalism: A Love Story mostra quão obscenamente ricos são os CEOS dos bancos, os mesmo que sobrecarregam as pessoas que não têm dinheiro e as roubam em taxas e juros. Com a indignação e os exemplos reais que são hábito em Moore, é muito interessante, ainda que para nós, não seja novidade nenhuma.

Já com, pelo menos, três livros dedicados ao assunto, as tatuagens das prisões Russas têm sido bem exploradas. O documentário The Mark of Cain de Alix Lambert tem as tatuagens como ponto de partida para a explicação do funcionamento das prisões Russas. Determinam o carácter da pessoa pela qualidade das tatuagens, e têm obviamente vários significados, escusando algumas perguntas. As pessoas entrevistadas são interessantes, e apesar das privações e dos crimes que os puseram lá, têm noção que estão numa posição injusta. Todos concordam que mais valia estar preso durante a era comunista em que havia respeito, e queixam-se que qualquer miudo tenta passar por pessoas que não são e tatuam coisas cujos significados não têm nada a ver com a personalidade deles. O que é o que se passa cá fora, e são os próprios que passaram pelas coisas na prisão que aparecem a dizer que têm vergonha de as ter cá fora, recorrendo a métodos poucos seguros para as tirar. Há também uma aproximação ao estado das prisões e do sistema prisional, tratando-se de um documentário muito interessante e que pode ser visto aqui.

Os seguidores do blog já conhecem a odisseia que tem sido a minha descoberta da filmografia do Billy Wilder. Depois de um primeiro filme que entrou para o meu top 5, só tenho encontrado decepções, deixando por isso os títulos mais célebres para o fim. The Fortune Cookie (Uma Loura Por Um Milhão) é acerca do planeamento de uma fraude. Bons actores, mas a história é desinteressante, por mais voltas que dê.

Donovan Strain. You might not recognize his name, but if you follow skateboarding's coverage, you are familiar with Buttery Ass Mondays, his video series at The Berrics that are now over. He is creative on a level that is so out there, that when I first saw his videos I did not know if this was some crazy guy talking or if there was actually some reason among his words. He is just insanely creative and you cannot help but listen to what he says. His street-awareness lessons are hilarious (proof), and it is a pleasure to share his vision here. Should I add that he is an insane skater too? Double hardflips? Switch bluntslide bigspint out? "Shit, son…"

Hi Donovan, are you down to do a quick interview?

Haha, my responses might be slow but shoot!

No worries at all. What is going on this Saturday night?

Gonna go check out a new camera for sale. Need a fresh one for my new website. Then go skating my neighborhood.

Are you involved in any new video projects now that you've stopped working with The Berrics? Is it still going to be about teaching the young guns how to hustle?

My videos on my site will be based around skating, creativity, like my animations and such, and street awareness, I guess you could say. That shit you ain't never gonna learn in school typa shit.

Brilliant, because a lot of kids miss the lessons. You also had a clothing range coming out, is it still in line? What is/ was the name?

It was called Downtown. It was gonna be done with The Berrics, but now that I'm not there anymore, that ended. But really, Downtown was what I had to settle on, and all the ideas behind it. My original name and product ideas were a lot different. More raw and they wouldn't allow it. But the people behind the website I'm starting want to help me get my original idea back in motion. After things start off with the site, I'll get the line up again, but how I really wanted it to be.

Pretty dope. You kinda popularized the term 'buttery', isn't it? How does it make you feel that kids say it more often than 'please'?

Haha! The word been around forever. I used it in my YouTube vid that got The Berrics attention, and they asked me to make 2 sample videos of something like I did and just teach something. So, one was how to make a butteryass tee, and one was how to make that paper. They watched them and said: OK, change how to make that paper to how to make that butteryass paper, that'll be the word for everything from now on.
So that was that. I never really used it too often other than for the title, I'm over it though now. My new site is "butteryass" word free. Gotta get something fresh out there.

Interesting, but yes, you have to be always one step ahead. What else is going on with your life, you mentioned that collecting swords and skateboarding were your main interests, is there anything else you dig?

My animations are fun. They take a lot of work but I like art.

You live in downtown LA, right? Do you travel often and would you see yourself living anywhere else?

I just moved out of my apartment to go more places. Finally going to San Francisco again, I'm super hyped! I haven't been there in months and it's the best downtown to skate around.

Yes, and the places are all within reach with a skateboard. We're almost done, two more questions. First, which skaters do you look up to, and who are your sponsors now?

Umm… I look up to the locals that skated my city when I was a kid. They skated for fun an fucked so much shit up, they were from a different time, when skating was raw as fuck. I started in 96 and these dudes were like 3 or 4 years older and ripping up my neighborhood. I wanna skate like them, more than a "filming conscious" skater, you know? City, Thunder and Hubba been keeping me on a board and grinding, super hyped on them!

There you go, thanks Don! To the readers, I would really suggest you to start checking his videos here and then going backwards, you won't even know what hit you.

tinha falado de Daniel Clowes, e Caricature mantém a temática de falhados que ambicionam mais do que a vida calma que têm, com a solidão por trás de tudo. Mais uma vez é tudo bastante competente e se a força de Clowes não está na variedade, ele é bom naquilo que faz. As nove histórias aparecem a preto e branco e a cores, sempre com o mesmo traço e um orgulhoso desfazemento da realidade das personagens.

Na comemoração dos 25 anos, This is Spinal Tap continua a ser um falso-documentário curioso. A banda Spinal Tap mostra a face humana do glam rock, com todos os falhanços de uma moda que já passou, e já muito foi escrito sobre este documentário que mostra uma realidade amarga. Abundam figuras-tipo e lugares comum como a intromissão da namorada na gestão da banda, o guitarrista chato com os solos, o membro introspectivo, a reunião em palco, e ainda que tão estilizado, o trabalho de Rob Reiner mantém-se bastante engraçado.

La Carne de Marco Ferreri, 1991, deve o seu título ao canibalismo. Não segue linha nenhuma, e a vida de Paolo, o protagonista, é uma loucura. Pode ser francamente mau, mas não acho que houvesse alguma ideia por trás deste filme. Faz uso de uma presença feminina magnetizante que transforma Paolo num objecto sexual, e poucos mais pontos tem.

Com mais de 100 páginas, [un]titled é um projecto independente de seis fotógrafos Europeus ligados ao hardcore. O livro tem cerca de 110 páginas com fotografias a preto e branco e textos, a impressão é muito boa, e vale pelas diferentes abordagens dos fotógrafos. Entre outras, as bandas que aparecem são Terror, As Friends Rust, Verse, Blacklisted, Prowler, Down To Nothing, Modern Life Is War e Have Heart.
Nas Organic Anagram Industries temos algumas cópias, que vão esgotar até Junho. Aos interessados em apoiar, agradeço, e devem reservar uma cópia com brevidade.

A escolha das musicas de An Education, é muito boa e transporta o filme. Desajustada da vida de adolescente, uma estudante quer mais e encontra quem lhe proporcione as oportunidades, ainda que seja uma excelente aluna e com boas perspectivas. Arranja um novo grupo de amigos bon vivants e decide que prefere divertir-se a uma vida de estudos, a ser mais uma pessoa contida. Deixa a escola e o casamento prometido acaba por ser um falhanço. A mensagem final é bonita e é um filme bom para o género.

Uma boa prenda de anos, The Pocket Essential Tintin, foi lançado no centenário de Hergé, uma análise do contexto social em que o repórter foi criado e de como ele se desenvolveu nas páginas. Posteriormente, há a inserção de cada livro na obra, bem como uma análise de cada um deles, incluindo as tiragens.
Hoje em dia há novelas gráficas boas, como o caso do genial trabalho do Chris Ware,mas no caso da obra de Tintin, tudo é perfeito e intemporal. Para além de reiterar a importância cultural de Tintin, as análises individuais dos livros são matéria interessante, principalmente para quem conhece as histórias.

Estão agora a passar na BBC2 uns episódios de uma hora intitulados The Genius of Design, mas é possível vê-los online aqui. Sobre o papel dos designers e de onde surgiu esta prática, é mais focado na Inglaterra actual. A parte a seguir ao Dieter Rams que serve para introduzir a manufactura e a forma como artistas se tornaram os primeiros designers é importante, mas algo extensa. O segundo episódio (vão ser um total de cinco) começa dedicado aos produtos da Bauhaus e continua para o modernismo, com a chegada do tubular steel.
Aos 31 minutos do Ghost In The Machine, como curiosidade, é a orientadora do meu mestrado a falar.

As Pupilas do Senhor Reitor, Margarida e Clara, vêem o seu destino ligado aos filhos de José das Dornas, um homem honesto e esforçado. Subtítulo Crónica de uma Aldeia, é portanto escrito por Júlio Dínis com a condescendente dos dizeres e intromissões das pessoas das aldeias que ainda hoje se perpetuam.
Filho de um homem hoesto e esforçado, Daniel não tinha a robustez fisica do irmão Pedro e por isso foi mandado estudar. A rapariga que o desvia dos tempos livres e que tem de ser separada dele, acaba na guarda do Padre que o educava e que os tinha separado. João Semana, personagem curiosa pela sua rabugência, tem de lidar com a chegada de um novo Doutor à aldeia que o vai auxiliar nas ajudas aos doentes, Daniel, mas é nesse reencontro com os costumes antigos e os hábitos ganhos na cidade que Daniel se desorienta.
Era o Português da época, mas que sorte termos tido tamanhos artesãos da palavra, que souberam usar na escrita esta beleza pura que hoje é impossível replicar. O desenrolar é moralmente reprímivel, mas para a história é fantástico, culminando com um dos melhores parágrafos finais já escritos.

Inventor, designer, engenheiro, filosofo, teórico, Jacques Fresco diz-se um futurista. O documentário Future By Design de William Gazecki acompanha-o na explicação do mundo que ele quer reconstruir, a maneira como ele planeia transportes públicos, comboios e habitações do futuro é notável, bem como as cidades circulares. Metropolis foi a primeira inspiração, e se ele desenvolve ideias interessantes e com um sentimento nobre, não deixa de ser um optimista, pois a humanidade está bastante longe daquilo que ele faz dela no futuro. Se ele diz que o homem ainda não é racional, por existirem guerras e pobreza, não é com cidades sub-aquáticas que vão encontrar habitação sustentável para os milhões de pobres.

Não é um mau papel, o de ser um rapaz por quem Orson Welles se fascina, mas fosse ele vivo, o caos era garantido por ousarem darem o destaque a outra pessoa que não ele. O argumento remedia isso, mas continua a ser um exercício ousado. A história de Me And Orson Welles passa-se na altura da obsessão de Welles com o dramatismo de Shakespeare.
É uma boa janela ao génio de Orson Welles, e como entretenimento, é melhor submeter as audiências de Zac Effron a isto, mas não passa a barreira como um filme para interessados no realizador. Os triângulos amorosos são desnecessários e o final abrupto.

No mesmo dia da final do Mundial de 2002, as duas piores selecções do mundo do ranking da Fifa, jogam uma contra num, organizado por Holandeses (que não se qualificaram para o Mundial). Butão e Monserrat são as selecções, e as razões por trás deste encontro são as mais nobres, com dois países que foram marcados por desastres sociais ou naturais, no caso do vulcão em Montserrat.
A viagem através do mundo desde as Caraíbas onde Montserrat fica é atribulada pela resignação do treinador por interferências na selecção da equipa, metade da equipa fica doente por não estar acostumada às condições asiáticas (o Butão fica no Sudeste Asiático), o treinador do Butão morre a dias do jogo, e não havia árbitros até ao jogo.
Ver o convívio deles através da musica antes do jogo é uma coisa única e que faz esquecer o amadorismo que envolve o embate. Como curiosidade, o único clube que é falado, e onde um dos jogadores Butaneses sonha jogar, é o Arsenal. É algo difícil encontrar The Other Final, mas recomendo.

Um rapaz que tentava realizar um filme chamado Northwestern, faz castings locais, arranjando uma equipa, mas que no fundo, por mais visionário que se ache, está condicionado pelo meio. É inspirador ver como ele acredita no que faz, ainda que não o leve a lado nenhum, e American Movie mostra como, para financiar o filme, ele tem de acabar uma curta de terror que é feita com muitos poucos recursos, com empréstimos da família e um actor secundário arruinado pelas drogas. Já com dez anos, é um documentário que brinca com as próprias circunstâncias, e Mark Borchardt, até consegue criar algumas coisas e tem boas ideias, mas realmente, é um mundo demasiado cruel para um rapaz do Wisconsin. Desde este documentário, Borchardt entrou em vários filmes como actor, mas só agora está a dirigir o segundo filme.

Oren Moverman deve por esta altura sentir-se injustiçado. O realizador de The Messenger, teve de assistir a Hurt Locker ser repescado (o filme tem dois anos já) e glorificado nos Óscares. Um dia há-de saber-se os motivos disso, até porque em comparação (ambos têm a guerra do Iraque como pano de fundo), este é superior. Na perspectiva dos soldados que levam as noticias às famílias dos homens que morreram na guerra. Alcoolismo, solidão, depressão são algumas das habituais faces ocultas do exército Americano, bem exploradas neste filme.

Um filme Catalão, La Habitacion de Fermat conta com actores muito bons, filmografia competente e um enredo muito engenhoso. Se existem várias semelhanças com O Cubo, as relações que começam centradas num matemático, vão sendo reveladas, com um grupo de entusiastas de enigmas a ter de se descobrir a si próprio para escapar de uma sala.

A adaptação do livro The Color Purple por Steven Spielberg foi uma grande produção dos anos 80 sobre a condição dos negros nos anos 30, vistos da perspectiva feminina. Tem contra si o facto de, possivelmente, ser excessivamente longa e centrada em si própria, mas é inexcedível na temática que cobre.

Confessions of a Superhero tenta retratar a vida das pessoas que encarnam personagens como o Homem-Aranha ou a Mulher-Maravillha em Hollywood Boulevard, que dão um pedaço do sucesso aos turistas, mas cuja vida é definida como um falhanço. As quatro personagens principais, Super-Homem com a sua dedicação obsessiva à personagem, Batman e os problemas para controlar a raiva, a Mulher-Maravilha que é uma rapariga do campo que sempre quis mais, e apesar do talento, não consegue sair da cepa-torta, e por fim, Hulk, que também tinha o sonho de ser actor e que teve de ser sem-abrigo para continuar a ir a castings, são histórias de vida fascinantes. Recomendo.

Opondo Burt Lancaster e Tony Curtis, Sweet Smell of Success de 1957 é um filme noir com diálogos muito bem estruturados. A história de um assessor de imprensa que tenta alimentar uma coluna num jornal mistura-se com um enredo de interesses amorosos, pois é-lhe pedido que interfira na vida amorosa da irmã do poderoso colunista, o que ele não consegue. Com isso, vai ter de encontrar a sua própria posição na indústria, para não ser mandado fazer nada, explorando a vida das pessoas em busca de informação.

Mesmo para quem tem visto aqueles documentários sobre Black Metal que eu tenho divulgado aqui, vale a pena ver Once Upon A Time In Norway. Foca-se apenas na história de Mayhem, sendo especialmente interessante pois para além de ser bem realizado, tem entrevistas com antigos membros que nunca falaram sobre o assunto. É uma boa forma de ficar a conhecer a aura que sempre rodeou a banda Norueguesa.

Numa altura em que já se justificava um novo apanhado dos últimos volumes, continua a valer a pena reler a colectânea das primeiras seis edições, de 2002 a 2005 da revista Australiana. Sneaker Freaker: The Book 2002-2005 é hoje em dia o nome mais sonante em termos da cultura de sneaker-heads, indo já no décimo-oitavo número. Se o estilo pouco tem de literário, o facto dos conteúdos serem quase todos inéditos (quando foram publicados na revista) e onde novas experiências são divulgadas, bem como os contactos incomuns que eles divulgam, fazem perdoar a falta de qualidade dos textos. É muito bem apresentada e as 320 páginas são um bom apanhado daquele espaço temporal, que continuam relevantes e com informação suficiente para quem quer deste modo tomar um contacto imediato com a cultura, de um modo mais visual, que no fundo, é o que importa.

Como vi o filme logo após ler o livro, fica tudo na mesma entrada. Kick-Ass foi originalmente lançado como novela gráfica por Mark Millar e John Romita Jr., retratando a tentativa de Dave Lizewski de se tornar um super-herói. É muito bem ilustrado e colorido, bastante violento e directo, conseguindo prender o leitor também com uma história com mudanças e surpresas.
Achei o livro preferível, porque comparativamente, em termos de ilustração é superior, quando o filme é entretenimento banal. É uma transposição fiel, no entanto, perdendo apenas na quantidade de sangue, um testemunho da qualidade do livro, pois consegue ser mais violento.

The Holy Ghost People é um bocado estranho, mas é curioso. Inclui religiosos Americanos a alucinarem.

Para balançar

Contratado por empresas para despedir, Ryan Bingham (George Clooney [a imitar-se?]) não tem tempo para estabelecer relações e passa a vida a viajar. Até que vê o posto ameaçado pela evolução e tem de recalibrar os valores por que se rege. Up In The Air é um filme de humor leve e competente, nem mais, nem menos.

Hard To Be A God, realizado por Peter Fleischmann em 1989 e com Werner Herzog como actor, bastante competente, tal como o resto do elenco. Os cenários são bons, tudo muito opulento, no entanto, o cruzamento de naves espaciais com Deuses na época medieval faz com que seja algo de muito disparatado ou brilhante. Depois decido-me.