Comparativamente às ilustrações originais do livro de Maurice Sendak, a versão cinematográfica de Where The Wild Things Are de Spike Jonze até suaviza os seres selvagens, aligeirando-lhes as tendências maléficas. A história é transposta para o novo milénio, onde Max, um rapaz que se vê abandonado e a crescer sozinho, decide partir numa viagem para outra terra, onde procura compreensão.
A obra de Sendak tem apenas 10 frases e 37 páginas, portanto há muitas ambiguidades que não são desfeitas. Sendo um mundo imaginário onde estão os seres selvagens, sem ter nada a chamar por ele em casa, porque havia Max de querer voltar quando atinge a redenção pela mentira que disse, ao fazer-se passar por um rei?
Maurice Sendak escolheu propositadamente Spike Jonze para realizar o filme, e a escolha foi acertada. Visualmente, o fantástico de uma história infantil está presente, mas ao mesmo tempo, há um sentimento de tristeza que assola as audiências, impressionadas com o realismo que se cria (é possível criá-lo) e com esse pedaço da História infeliz, que podia ser outro qualquer. Exceptuando o final, devido às tais limitações do texto original neste caso, o filme é belíssimo, com um grande actor em Max Records, óptima fotografia, bem como uma banda sonora condizente.
Uma nota só a uma coisa curiosa que eu reparei. Para além da fama como ex-marido de Sofia Coppola e realizador de vários vídeos de música, o que um público mais geral não sabe é que Spike Jonze é uma espécie de figura de culto no skate por ser um dos fundadores (e ainda um dos donos) da Girl Skateboards e por ter dirigido alguns dos filmes mais admirados como Video Days da Blind ou o Yeah Right da Girl, bem como de muitos episódios do Jackass. A obsessão com Where The Wild Things Are (e estava em produção há muitos anos mesmo) parece-me ser explicada pelo skate: Max enfrenta problemas em casa e refugia-se numa ocupação, viajar de barco (skate), encontrando um grupo diferente que o rejeita mas que começa a ver as semelhanças que têm (novos grupos de amigos skaters), que tentam construir um forte (a união que se estabelece ao construir rampas de skate em grupo) mas que em última instância se separam (o crescer). Penso que é uma analogia válida, ou então sou eu a imaginar coisas.

Comments (4)

On 19 de janeiro de 2010 às 17:27 , WALKtheWALK disse...

vou querer ver este filme, mas dispenso o cinema.

engraçado que sabia muitas das coisas que falaste sobre o Spike Jonze, mas o que não sabia que me surpreendeu é que ele era ex-marido da Coppola. ah e acho a analogia bastante válida!

 
On 20 de janeiro de 2010 às 00:21 , Anagrama Orgânico disse...

Eheh mas olha que vale a pena ver os monstrinhos em tamanho grande.

Sim, ainda foram para aí 4 anos casados. Devia ser lindo, ele chegar ao pé do Francis Ford com skates na bagageira.

 
On 24 de janeiro de 2010 às 02:07 , standxstrong disse...

Nunca tinha pensado na analogia que fazes ao skate, mesmo sabendo quem é o Spike Jonze. Interessante.

Quanto ao filme, adorei e gostei imenso da crítica.

 
On 24 de janeiro de 2010 às 16:01 , Anagrama Orgânico disse...

Impecável, obrigado pela visita!