Blastah Beats vem de Braga e lançou recentemente um EP digital, Block Blastin' Beatz Vol. 1, disponível no myspace. Desde voar para Phoenix, Arizona para mostrar os beats dele e tê-los lançados em álbuns de Busta Rhymes, Joe Budden, Papoose, Del the Funky Homosapien e Cappadonna, o percurso dele é desde já incomum e já não se vê o fim da curva ascendente. Por estas conquistas e espírito de iniciativa, fica aqui a entrevista a décima pessoa.

Podes começar por te identificar, seja biograficamente ou como queiras ser entendido pelos outros.

Bem, considerando que esta entrevista se deve ao trabalho que tenho desenvolvido como produtor, vou-me focar mais neste aspecto. Chamo-me Blastah Beatz, tenho 21 anos, vivo em Braga e produzo instrumentais de Hip Hop para rappers americanos.

Como foi o teu primeiro contacto com o hip hop?

Nasci em França no final dos anos 80, e a França tem um dos principais mercados de Hip Hop do Mundo. Sempre estive rodeado pelo Hip Hop, seja pela música ou pelo graffiti nas paredes dos HLM onde morava. Devo muito ao meu irmão e ao meu primo também, que sendo mais velhos me puseram em contacto desde cedo.

Tens passado no turntablism ou o teu interesse é só pela produção?

Adoro turntablism e já pude aprender, mas considero o meu mentor Master Kutt um dos melhores DJ's que alguma vez ouvi. O scratch dele é inacreditável... por isso nunca me dei ao trabalho de aprender já que tenho um dos melhores a meu lado. Estou a trabalhar no meu álbum de produção com o Master Kutt nas rodas de aço, vão ter a oportunidade de o ouvir. No entanto, ao longo da minha carreira, gostaria de aprender scratch básico para não ter de o chatear muito.


Num futuro próximo quais são os teus objectivos? Começar a rentabilizar isto em Portugal/no estrangeiro aumentando o campo de acção para além da produção, ou tens outros planos para a tua vida?


Não gosto muito de fazer planos a longo prazo porque nunca se sabe o dia de amanhã. De momento, o meu objectivo é acabar o meu curso e continuar a fazer o que tenho feito em relação à música. Uma vez acabado o curso, é tudo uma questão de que portas se abrirão, e quando se abrirão. Mas gostaria de conciliar a música com o trabalho para o resto da minha vida, rentabilizando com ambos.

Para quem já produziu para o Papoose, Joe Budden, Cappadonna e Busta Rhymes, ouves hip hop Português? Qual é a tua opinião sobre o estado actual?

Ouvia muito na minha infância, mas desliguei completamente quando acabei o secundário (por volta de 2004). Hoje em dia não tenho conhecimento suficiente para elaborar uma crítica com pés e cabeça, mas gostava do que ouvia no passado.

Se calhar para o pessoal de Portugal que quiser dar uma olhada ao teu equipamento, que usas para produzir? É tudo no computador, usas samplers ou passas pelo processo fisico de samplar de um vinyl? Software, hardware, é o que quiseres.

É tudo no computador, de momento e desde que comecei só uso software. A minha combinação é Cool Edit 2 + FruityLoops3 + Reason 3, geralmente por essa ordem. Pretendo passar para algum hardware em breve, estou à espera da altura certa.

Viver em Braga não é propriamente Brooklyn, o que fazes nos teus dias?

(Risos) Sou aluno da Universidade do Minho a full-time, e operário de loja no Intermarché aos fins de semana. É complicado arranjar tempo para tudo, mas um gajo lá se arranja!!

É isso, peace!

Comments (1)

On 14 de junho de 2009 às 22:54 , WALKtheWALK disse...

curti esta entrevista. o mano parece humilde, e trabalhar/estudar e ainda fazer beats com esta qualidade para nomes tão sonantes...prova viva de que o mundo é grande e quem se sabe mexer vai longe!