O principio de Annie Hall é o melhor possível em Woody Hall, condensado. O filme é hilariante, seja pela constante punição por ser judeu, seja pela adulteração da vida real na história. As cenas clássicas profileram, na fila do cinema (com as referências a Groucho, Beckett, Fellini e Bergman, parecia eu a realizar), Woody e Diane Keaton fazem aquela saída de cena genial, a das lagostas bebés, que é histérica e a que retrata a ingenuidade de Woody Allen, a da cocaína. A miséria que por sobressair tão bem traz felicidade, num filme imperdível.

Comments (1)

On 7 de fevereiro de 2009 às 17:22 , Victor Afonso disse...

Um dos melhores filmes de toda a carreira de Woody Allen.