Este Bring The Noise do jornalista musical Simon Reynolds, editado no ano passado, compila vinte anos de artigos de rock e hip hop, como descrito na capa. Ele, como Britânico, captura muitos momentos da musica de dança, mas que acompanhou apenas 'a distância, pois vive em N.Y. desde 1994. Se a influência do ragga, dancehall no 2-step, garage, o nascimento do grime, a explosão do drum 'n bass são acompanhadas, não é ainda assim possível esquecer que Reynolds é no fundo um individuo com os horizontes muito limitados. Sim, ele pode achar que os So Solid Crew foram pioneiros, mas isso é o melhor que o grime tem? Os quase quinze anos conferem o estatuto de obra prima ao primeiro album de Roni Size, mas foi a unica coisa que houve? E desde então, está tudo mesmo morto?
Existe mesmo uma ignorância muito grande, as peças apresentadas são quase todas do Melody Maker, onde Simon Reynolds debate a grandiosidade de Morrissey mil vezes (risos), tenta passar Mantronix e T. La Rock como vanguardistas do hip hop e soberanos, entre outras atrocidades. A adoração aos Public Enemy, bem como a necessidade de lhes atribuir o racismo só é superada quanto afirma que o LL Cool J seria o melhor rapper de sempre.
No universo dele, acredito que isto seja um livro brilhante, mas felizmente em vinte anos de musica, muito, muito mais se passou.